Modo Mae Ativar 2:INJURIA RACIAL NA ESCOLA

Apos meu longo sumico,recebam meu sincero pedido de desculpas.
Marianinha apresenta alem do problema com os oculos,uma sinusite que a tirou das aulas diarias de natacao
e apresentou um comportamento estranho de quarta feira para ca(nao queria ir para escola,chorava muito e so falava:" eu quero minha mae!")

Pior que tudo isso,so ser notificada do que estava acontecendo,nem por terceiros e sim por "quintuplos":
"o menino chamou a Mari de preta na escola"!
Para ela estar naquele estado, nao teria sido  isso...
Afinal, dizer que nos ou ela, somos negras,pretas e como dizer "o ceu e azul"-uma redundancia.
E ela nao se ofenderia com isso-a verdade, de forma alguma...Se ofender pela propria caracteristica
genetica???Eu hein!




Uma amiguinha no alto de seus 5 anos, foi defende-la:"A Mari nao e preta,ela e morena"
Muitissimo louvavel para uma menininha de 5 anos,que nao tem obrigacao nenhuma, de saber lidar
 com essa situacao.
Ainda agradecerei bem de pertinho,essa coisa fofa,preocupada com minha filha.

Sim,criancas nao deveriam estar preocupadas em se defender de preconceito,seja ele qual for.
Mas isso e la no coracao de mae,no nosso mundo ideal....
Ja no mundo real,o mais assustador nao e o "enfant terrible" da classe, falar que minha filha e preta...
E sim a PROFESSORA nao ter sido preparada pra isso!

"Fulano:Pede desculpa para amiga.A Mariana nao e preta.A Mari e morena igual a Pro"
(a pessoa e branca com cabelo castanho quase avermelhado)

HUM?COMO E QUE E ????

Com muito perdao da boca maldita rs:"...taqueospariu"!!!!
Eu levo quase 6 anos educando a minha filha, para em 5 segundos,uma professora despreparada,acabar com tudo!!!
Claro que e uma situacao que ninguem deseja,para a qual a minha filha havia sido preparada,
 mas a professora nao???!!!

No Brasil,nao sei se para o bem ou para o mal,as pessoas tem vergonha de ter preconceito.

Minha filha nao se sentiu ofendida porque o coleguinha disse que ela era preta.
Ela so ligou o PRETA a UMA COISA RUIM,com o aval da despreparada professora.

Ja sabendo da estoria,antes de conversar com a direcao da escola,conversei com a minha filha...
Enquanto me contava o ocorrido,me disparada a seguinte perola:
"Mamae,eu nao sou preta,eu sou morena"

No mesmo instante, eu disse:
"-minha filha,quando foi que vc nasceu na "ARABIA" e a mamae nao sabia???"
Moreno=de origem moura.Aqueles que lutavam com os cristaos ,
la naquelas terras,mais ou menos isso???rs

Gente pelo amor de NSRA APARECIDA,MAE NEGRA, DO BRASIL:
Abre a boca e libera o proprio preconceito:nao interessa a paleta de cores e sim suas origens!
Nao e marronzinho,preto,escurinho,moreninho...mesmo que seja com carinho,ajuda pouco.
E NEGRO.E AFRO DESCENTE.E PARDO.MESTICO.
E tambem nao toda a lista de termos ofensivos referentes a raca negra que nao preciso nominar...


Tudo estaria bem, se a professora,ao inves de "embranquecer" ou mudar a etnia da minha filha,
dissesse simplesmente:
"Fulano,nao e certo dizer preta.A Mari e negra e isso nao faz a menor diferenca.
Todos somos diferentes.Faz pra voce?"

E depois de tudo,como voce acha que a escola "comemorou" o 20 DE NOVEMBRO?
Em branco,LITERALMENTE.
Para nao ser injusta,eles chamaram o PROMOTOR, para dar uma palestra sobre o crime de
INJURIA RACIAL,para a 6* e & 7* serie.
Afinal de contas,se o menino tivesse 12 anos ao inves de 5,os pais seriam responsabilizados criminalmente.

Cultura?Integracao?Esclarecimento?
Nada disso.
Pelo menos,rola um "presta atencao para nao ir para a cadeia"

A proposito,eu acho o nome e o feriado meio  UO.Que nem a  explicacao da professora.
A boa intencao que agrava as coisas....
Mas isso e outro post...Outra conversa...

Um beijo grande e daqui ha pouco com a alma leve,eu venho falar do esmalte da semana,comprinhas
LOOSHO.COM,bases novas,pincas ponta fina.....
Obrigada por tudo sempre.

  • RSS

20 comentários:

Luana Mendes disse...

Preconceito é uó, sempre.

Eu ouvi que loira é burra até na faculdade, acredita?

Ainda bem que meus pais, assim como você, me prepararam para isso.

Escola é um lugar cheio de preconceito. Seja muito branco, negro, muito alto, ou baixinho, a criança sempre será discriminada, isso é horrível ;/

;*

Vanessa disse...

Oi minha linda, sei muito bem como é sofrer preconceito, infelizmente pais despreparados e igmorantes como o desse menino, não preparam os filhos pra diversidade. Mais nunca vou desistir de lutar pela igualdade. Bjss no seu coraçao e da sua pequena. Van
http://gordelicias-vanessa.blogspot.com/

Anônimo disse...

Concordo com vc...quando eu tinha 8anos e me chamaram de preta na escola, todos riram na hora...cheguei em casa chorando e minha mãe disse: "e vc tá chorando por que? Você é negra mesmo...não tem motivo pra chorar. Agora pára, e vai brincar..." Na hora, com apenas 8 anos, engoli o choro e pensei: "minha mãe tem razão" e hoje, entendo que o preconceito está, literalmente na cabeça de cada um, refletindo atitudes...é uma pena que existe isso! Bjos! Te adoro!

Ana Carolina Leão
fisioleao@yahoo.com.br

Aline disse...

Você foi no ponto: defender a criança dizendo que ela não é preta e sim morena, continua sendo preconceito. É, como você disse, transformar a palavra preta como sinônimo de coisa ruim. Vejo isso acontecer muito, de pessoas qualificarem negros de moreninhos como se quisessem amenizar. Amenizar o que, ora? Somos todos HUMANOS e isso que a professora deveria ter tido ao garotinho.

Irmandade Feminina disse...

É tão triste ver uma professora tão despreparada.
Mas o bom é que a marianinha tem um maezona como vc!!!
=*

Maria Regina disse...

Só vejo dessa maneira, existe sim professoras despreparadas, mas não podemos julgar a escola de um modo geral!

Beijos

Aline disse...

Amiga.. o grande problema é que o povo acha q o negro se ofende em ser chamdo de negro e vou te falar q alguns se ofendem mesmo e isso é puro preconceito tambem.
Adorei a forma como vc aborda isso com sua filha,afinal de contas, ninguem tem q ter vergonha das suas origens..
Qto a professora, coitada, imagino a situção extremamente delicada q ela passou. Imagina se ela fala q a menina é negra mesmo e vc se ofende, como muitos negros costumam se ofender.. e ai???
Q situacao!!
Amiga espero q vc consiga mostrar para essa professora q nao existem problemas, nem muito menos vergonha pelo fato da pessoa ser apenas negra.
Nao esqueça de nos contar o resultado.
Bjo

Renata disse...

Super bom seu post! É difícil ouvir alguém falar tão bem sobre esse assunto quanto você colocou. Acho mesmo que um problema maior do que a discriminação descarada é essa mania de achar que mudando o nome da cor, da raça, ou sei lá o que, vai tornar as pessoas iguais. O que piora tudo, porque ninguém é igual, e enquanto o que deveria ser enfocar a igualdade no que importa, sem negar as diferenças individuais. Esse tipo de cagada (desculpe, mas é) acontece com tanta frequência, e é a pior! Você tá coberta de razão. E seu recado é super importante, porque DISSO que você falou, ninguém fala.

Um beijão!

Fernanda Coelho disse...

Que história!

Mas acho que a professora é reflexo do modo como nossa sociedade trata do assunto, de uma forma geral...é muito triste.

Minha mãe mesmo me criou achando que eu era "morena" e no RG consta que sou branca, quando tenho origens evidentemente africanas. Quando passei a me declarar como negra, ela brigava comigo! rsrs

Cami disse...

O pior é que as vezes situações pequenas como essa acabam por deixar uma criança inocente confusa... Ainda bem que a Mariana tem você por perto para colocar ordem no caos que deve estar a cabecinha dela nesse momento, mas imagine só quem não tem..

Bjo
desapegosdacami.blogspot.com

Eliana disse...

A diferença entre sua filha e eu está sendo a mãe. Sempre que vejo histórias assim me dói na alma de um jeito que nem sei descrever.
Minha mãe parda se casou com meu pai negro e nascemos eu e meus irmãos que sofremos muuuitos preconcenitos na escola da época e as professoras nem ligavam. Minha mãe nem se dava conta dessas coisas, era muito ignorante a respeito.
Houve casos que de lembrar dá nó na garganta e olha que já tenho 32.
Nossa, se minha mãe, na época, tivesse sua consciência e desse o apoio que você está dando a sua filha, acho que muita coisa em minha vida teria sido diferente. Baixa alto estima é uma coisa dificil de curar e a miha só foi curar depois dos vinte e poucos anos assim mesmo as vezes ainda acena de longe.
Garanto, por experiência própria que este apoio e educação que está dando a sua filha agora vai ser muito precioso para ela no futuro.
Bjuxx

Iara Helena Meirelles disse...

Nossa, que surpresa boa, de verdade, ler esse texto. Leio aqui pra ver seus comentários sobre maquiagens, resenhas, e ver não só esse tema como o o seu jeito de falar dele foi muito bom.
Crianças tendem a repetir o que aprendem em casa, e o menininho certamente fez isso. Acho que não chega a ser nem uma surpresa exatamente, porque não é uma novidade pra ninguém saber que o Brasil tem um racismo bem hipócrita e a tendência é aparecer sob as vestes de um humor pejorativo ou das crianças, que não têm esse domínio do que vão falar, essa necessidade de "ser de bom tom". Até aí, ok, abriu-se a brecha para que o assunto seja discutido.
Negócio é que a turma não era um grupo de crianças, tinha uma professora ali. E que, ao ver a brecha aberta, emporcalhou tudo.
Lembro que nos meus tempos de escola eu era branca e todos tentavam enfatizar a "sorte" que eu tinha por não ter puxado a cor do meu pai e o cabelo. Sou até um pouco mais clara que a minha mãe, que é branca. Mas sou uma mulher NEGRA. Sou afrodescendente como todas as pessoas desse país. O Brasil é o maior país negro fora da África. Somos nós, sabe? Não é o outro. Não é distante.
Somos ensinados de que devemos lutar pra embranquecer. E é muito triste quem perpetua esse tipo de visão sendo branco ou negro, mas é uma rua sem saída, porque somos ensinados assim por nossas figuras de autoridade: Pais, professores, etc.
Isso porque o negro é sempre visto como o coitado, o burro, o que só serve pra trabalhar, o que não tem história, o escravinho. Só que a escravidão durou 300 anos ou menos, a história da África tem muito mais que isso. São milênios de produção de conhecimento - sem exagero - em todas as áreas do saber e que são negligenciadas pelas escolas, apesar da lei atual de inserção desse conhecimento. A escola pública tem uma ínfima fiscalização, a particular nem isso, os donos fazem o que querem, e isso eu falo de dentro porque fui estagiária em escolas das duas naturezas e sei que corre solto MESMO. E que esse tipo de cena ainda é super normal.
O nome do feriado faz referência à "Black Awareness" americana, que tem uma série de ações afirmativas bacanas e faz referências a ações afirmativas muito legais. Que, na verdade, servem menos como "vaidade" e como "afirmação", e mais como inclusão de uma galera que foi excluída por muito tempo pelas leis e pela força policial num país estrangeiro, num local estranho e que não tiveram lá muita estrutura para se estruturar no novo espaço.
No entanto, eu prefiro o "feriado de Zumbi dos Palmares", tb conhecido como O CARA. O grande herói nacional, fundador do primeiro povoado realmente emancipado brasileiro. Por muitos anos. São primeiras políticas e que vão precisar de tempo para se ajustar, para "entrar" mesmo.
O que pode ajudar é você cobrar com a diretora, com as professoras. Falar com elas, sabe? É lei. Dê a elas a aula que você deu a todas as suas leitoras. :) Bjs.

Makes and Books disse...

Não era leitora do blog, mas passo a ser agora, principalmente pela admiração de sua atitude. Parabéns! Poucas pessoas tem uma postura e entendimento como seu.
beijos e beijo nessa bonequinha =]

Vivi disse...

Sabe que a cada dia eu vejo mais exemplos de que as crianças estão mais expostas à estupidez dentro de algumas escolas do que fora, CDB?

São tantas as falhas, e no caso injúrias, que eu já não sei o que é pior e home school cmeça a parcer uma idéia super interessante...

Beju!
Na pequena Mary tb. :)

Jacqueline disse...

Nossa muito bom ler isso , realmente ainda vivemos num pais racista e preconceituoso, eu quando criança sofri demais por ser negra e obesa até hoje sinto umpouco de insegura na auto estima , sei que sou linda e guerreira por sofrer tudo isso e conseguir seguir de cabeça erguida mas isso influênciou demais o meu psicológico, vc tem razão comece desde cedo orientando mas sempre com bom humor e sem nervosismo pra ela no futuro poder levar qualquer discriminação como algo idiota da outra pessoa, e sentir pena da outra pessoa e não dela. Eu consegui um vídeo muito lindo passeando pelos blogs, a filha de um rapaz disse que não queria ser mais negra e queria ser loira de cabelos lisos igual a Barbie então o pai fez uma música I LOve My Hair, fez o maior sucesso no you tube assista vc vai gostar, a letra é ótima.

AH vou indicar essa matéria no meu blog na matéria sobre negros.

http://www.cabelocrespoecabelobom.com.br/blog/?p=265

meu blog http://jacsimplesassim.blogspot.com/

Mah.... disse...

Poxa... Professores despreparados é triste demais. Eu tenho uma mãe negra e professora. Que sabe muito bem como lidar em situações assim.

Isso já aconteceu comigo, quando tinha meus 9 anos. E pela criação me saí muito bem:
"Respondi em alto e bom som. SOU PRETA. PRETINHA. kkkkkkkkkkkkkkkkkk"
Porque disse isso? porque minha mãe sempre me chamou de pretinha e pretinha era uma coisa de amor pra mim. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


Parabéns pela atitude. Explicar claramente pra uma criança, e falar a verdade é sempre a melhor solução!

Mah.... disse...

ps: Chamei minha mãe para ler o post. Não guentei. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Ela diz, que como mãe, sempre foi muito clara comigo. Explicando que as pessoas não são iguais, são de cores diferentes, de dialetos diferentes, de cabelos diferentes, de criações diferentes! Mas que isso, nunca é motivo para você tratar essa pessoa diferente. Se o negro fez algo errado tem que ser preso. Assim como o loiro. Se o negro virou presidente, ele tem todo direito, assim como o ruivo. Se a loira se apaixonou, ela tem todo direito assim como a japonesa!

Heloisa disse...

Incrível um país no século 21 ainda ter gente que enxerga cor de pele como ítem de julgamento sobre uma pessoa. Tenho dó do menino e tenho raiva de seus pais, pois com certeza são o berço de todo preconceito dessa criança. Puxa, que legal, estão criando mais um idiota pra habitar este mundo. Viva.

http://esmaltolatras.com.br

Mulher na Polícia disse...

Cara,

Sinceramente...
Esse mundo é uma porcaria!

Ah, sim...
Desculpe, eu vim através do blog da Eliana.

(suspiros)

Luciana Paula disse...

Eu não supoooooorto todo e qualquer tipo de preconceito. Não importa.

Acho simplesmente um absurdo, em um país como o Brasil, ainda existir isso.
Como assim? Como é que com tanta diversidade de cultura e povos, ainda existe gente querendo "diferenciar" alguém?
Quando será que vão entender que não somos nada, nada além da parte de um todo?
O que faz uns melhores que outros? A cor, a religião, os costumes? Peraí...

Mas isso, infelizmente, é culpa dos pais, que estão não sei onde, quando deveriam educar essas crianças, que viram "monstrinhos adultos" e saem por aí falando barbaridades (quando não, fazendo barbaridas, o que é pior). A criança reproduz o que vê e ouve em casa (ou o que deixa de ouvir, quando não é educado).

Mas é isso mesmo, não se pode abaixar a cabeça para essa falta de preparo não.

E enquanto a cor da pele for mais importante que o amor, ahhh, que triste.

Até quando temos que ver isso acontecer com esses anjinhos, que desde cedo, já são massacrados por esse sociedade hipócrita?

Acho formidável a ideia de que preconceito é CRIME, e deve ser tratado como tal. Se vejo um adulto preconceituoso, racista, o vejo como um CRIMINOSO (e adoraria vê-los pagar por tamanho egoísmo).

Eu fico indignada, não dá.

Sorry, mas tá aí uma coisa não não consigo deixar passar. Não deu pra não comentar.

Que Deus dê muita paciência e entendimento, para que sempre saibam "contonrar" a situação, sem perder a razão.

Se eu, só de pensar em presenciar algo, já fico inconformada, imagino quem passa por isso!

Bjusss!

E bjoka na Marianinha também=D